Feliz 2011!

31/12/2010

 

 

 

A todos que nos leram em 2010, MUITO OBRIGADO!

Se continuarem nos ajudando, melhoraremos em 2011.

 

A equipe.

Anúncios

PALESTINA – Reconhecimento do Estado

31/12/2010
John V. Whitbeck
Advogado especialista em Direito Internacional e escritor analisa a qualidade bem como a quantidade de Estados que reconhecem a Palestina.
 


Dia 17 de dezembro, a Bolívia reconheceu diplomaticamente o Estado da Palestina, nas fronteiras de antes de 1967 (toda a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, inclusive Jerusalém Leste).

Acontecido imediatamente depois de Brasil e Argentina também reconhecerem a Palestina, o reconhecimento pela Bolívia eleva para 106 o número de Estados-membros da ONU que reconhecem o Estado da Palestina, cuja independência foi proclamada dia 15 de novembro de 1988.

Embora esteja sob ocupação beligerante, o Estado da Palestina atende a todas as exigências da lei consuetudinária internacional para ser considerado estado soberano. Nenhuma porção do território palestino está reconhecida por qualquer outro país (exceto pela potência ocupante, Israel) como seu território soberano e, de fato, Israel só se tem declarado soberano em pequena porção do território palestino – Jerusalém Leste ‘expandida’ – o que implica que todo o território restante permanece legal e literalmente território palestino não contestado.

Nesse contexto, pode ser esclarecedor considerar a qualidade e a quantidade dos Estados que já reconheceram o Estado Palestino.

Dos nove estados mais populosos do mundo, oito (todos, exceto EUA) reconhecem o Estado da Palestina. Dos vinte estados mais populosos do mundo, 15 (todos, exceto EUA, Japão, México, Alemanha e Tailândia) reconhecem o Estado da Palestina.

Por outro lado, entre os 72 Estados-membros da ONU que atualmente reconhecem a República do Kosovo como Estado independente, só aparece um dos nove Estados mais populosos do mundo (EUA); e aparecem quatro dos vinte estados mais populosos do mundo (EUA, Japão, Alemanha e Turquia).

Quando, em julho, a Corte Internacional de Justiça declarou que a declaração unilateral de independência do Kosovo não violava a lei internacional, porque a lei internacional nada diz sobre a legalidade de declarações de independência (o que significa que nenhuma declaração de independência viola a lei internacional e que, portanto, todas são “legais”; e depende de decisão política de outros Estados soberanos reconhecer ou não a independência declarada), os EUA convocaram todos os países que ainda não haviam reconhecido o Kosovo para que o fizessem imediatamente.

Passados cinco meses, apenas três novos países responderam à convocação dos EUA – Honduras, Kiribati e Tuvalu.

Se a Liga Árabe convocasse a minoria de Estados-membros da ONU que ainda não reconheceram a Palestina, para que a reconhecessem imediatamente, não cabe dúvida de que a resposta seria bem mais eloquente (tanto em quantidade quanto em qualidade) do que a que os EUA receberam, em seu apelo a favor do Kosovo. Isso, precisamente, é o que a Liga Árabe já deveria ter feito.

Não obstante a evidência (baseada em meus cálculos pouco refinados) de que os estados nos quais vive 80-90% da população do planeta reconhecem o Estado da Palestina, e que os estados nos quais vive 10-20% da população do planeta reconhecem a República do Kosovo, a ‘mídia’ ocidental (e, de fato, boa parte, também, da ‘mídia’ não ocidental) age como se a independência do Kosovo fosse fato consumado; e como se a independência da Palestina fosse apenas um sonho que jamais se poderá realizar sem o consentimento de Israel-EUA. E boa parte da opinião pública (incluindo, parece, a liderança dos palestinos em Ramallah) tem-se deixado levar e tem reagido, pelo menos até recentemente, como objeto passivo de lavagem cerebral.

Como em vários aspectos das relações internacionais, o que interessa não é a natureza do ato (ou crime), mas, sim, quem faça o quê a quem.

A Palestina foi conquistada e continua ocupada, 43 anos depois, por forças militares de Israel. O que a maior parte do mundo (inclusive a ONU e cinco Estados-membros da União Europeia) ainda veem como a província sérvia do Kosovo foi conquistada e continua ocupada, 11 anos depois, por forças militares da OTAN.

Mas a bandeira dos EUA está sempre hasteada no Kosovo, ao lado da bandeira nacional; e a capital, Pristina, exibe um Boulevard Bill Clinton e uma estátua gigantesca, de proporções, pode-se dizer, ‘soviéticas’, do ex-presidente dos EUA.

O direito brota do poder, pelo menos nos corações e mentes dos poderosos, entre os quais se contam muitos políticos e formadores de opinião ocidentais.

Enquanto isso, quando um perpétuo “processo de paz” parece ameaçado repentinamente pelo recurso pacífico à lei internacional e a organizações internacionais, a Câmara de Deputados dos EUA acaba de aprovar, por unanimidade, projeto de lei redigido pelo AIPAC (American Israel Public Affairs Committee), que proíbe o presidente Barack Obama de reconhecer o Estado da Palestina e dá aos EUA poder de veto para impedir que chegue a bom termo qualquer iniciativa dos palestinos para tornar-se membros da ONU.

Os políticos e a ‘mídia’ ocidental usam em geral a expressão “comunidade internacional” para falar dos EUA e outros países que aceitem apoiar publicamente os EUA em determinadas questões. E chamam de “rogue state” [estado-bandido], qualquer país que resista ativamente à dominação de EUA-Israel sobre o mundo.

Pela subserviência a Israel – como outra vez se confirma na falta de qualquer voz, uma, que fosse, que protestasse contra a nova resolução da Câmara de Deputados e contra a oferta (rejeitada) que o governo Obama fez a Israel, de fato tentativa de suborno (Obama ofereceu propina gigante a Israel, em troca de suspensão por apenas 90 dias, de seu programa ilegal de colonização) –, os EUA já se autoexcluíram efetivamente da verdadeira comunidade internacional. Porque a verdadeira comunidade internacional tem de incluir a grande maioria da humanidade. E os EUA já se converteram eles próprios em “rogue state” [estado-bandido], com atos de flagrante e consistente violação, tanto da lei internacional quanto dos direitos humanos fundamentais.

Deve-se esperar que os EUA arranquem-se eles próprios do abismo e recuperem a independência. Mas todos os sinais apontam na direção oposta.

Triste destino, para um país tantas vezes admirável.

Fonte: http://english.aljazeera.net/indepth/opinion/2010/12/20101228131929322199.html

Tradução: Vila Vudu

Edemar.


Ministro responde a editorial ‘de balanço’ de revista

28/12/2010

Resposta do ministro Jorge Hage a editorial de balanço da revista Veja:

Brasília, 27 de dezembro de 2010.

Sr. Editor,

Apesar de não surpreender a ninguém que haja acompanhado as edições da sua revista nos últimos anos, o número 52 do ano de 2010, dito de “Balanço dos 8 anos de Lula”, conseguiu superar-se como confirmação final da cegueira a que a má vontade e o preconceito acabam por conduzir.

Qualquer leitor que não tenha desembarcado diretamente de Marte na noite anterior haverá de perguntar-se “de que país a Veja está falando?”. E, se o leitor for um brasileiro e não integrar aquela ínfima minoria de 4% que avalia o Governo Lula como ruim ou péssimo, haverá de enxergar-se um completo idiota, pois pensava que o Governo Lula fora ótimo, bom ou regular. Se isso se aplica a todas as “matérias” e artigos da dita retrospectiva, quero deter-me especialmente às páginas não-numeradas e não-assinadas, sob o título “Fecham-se as cortinas, termina o espetáculo”. Ali, dentre outras raivosas
adjetivações (e sem apontar quaisquer fatos, registre-se), o Governo Lula é apontado como “o mais corrupto da República”.

Será ele o mais corrupto porque foi o primeiro Governo da República que colocou a Polícia Federal no encalço dos corruptos, a ponto de ter suas operações criticadas por expor aquelas pessoas à execração pública? Ou por ser o primeiro que levou até governadores à cadeia, um deles, aliás, objeto de matéria nesta mesma edição de Veja, à página 81? Ou será por ser este o primeiro Governo que fortaleceu a Controladoria-Geral da União e deu-lhe liberdade para investigar as fraudes que ocorriam desde sempre, desbaratando esquemas mafiosos que operavam desde os anos 90, (como as Sanguessugas, os Vampiros, os Gafanhotos, os Gabirus e tantos mais), e, em parceria com a PF e o Ministério Público, propiciar os inquéritos e as ações judiciais que hoje já se contam pelos milhares? Ou por ter indicado para dirigir o Ministério Público Federal o nome escolhido em primeiro lugar pelos membros da categoria, de modo a dispor da mais ampla autonomia de atuação, inclusive contra o próprio Governo, quando fosse o caso? Ou já foram esquecidos os tempos do “Engavetador-Geral da República”?

Ou talvez tenha sido por haver criado um Sistema de Corregedorias que já expulsou do serviço público mais de 2.800 agentes públicos de todos os níveis, incluindo altos funcionários como procuradores federais e auditores fiscais, além de diretores e superintendentes de estatais (como os Correios e a Infraero). Ou talvez este seja o governo mais corrupto por haver aberto as contas públicas a toda a população, no Portal da Transparência, que exibe hoje as despesas realizadas até a noite de ontem, em tal nível de abertura que se tornou referência mundial reconhecida pela ONU, OCDE e demais organismos internacionais.

Poderia estender-me aqui indefinidamente, enumerando os avanços concretos verificados no enfrentamento da corrupção, que é tão antiga no Brasil quanto no resto do mundo, sendo que a diferença que marcou este governo foi o haver passado a investigá-la e revelá-la, ao invés de varrê-la para debaixo do tapete, como sempre se fez por aqui.

Peço a publicação.

Jorge Hage Sobrinho
Ministro-Chefe da Controladoria-Geral da União

 

 

 

Só cegos não veem que muita coisa mudou com Lula. Edemar.

Original em http://blog.planalto.gov.br


Amostra dos 4%

27/12/2010

 

Muito boa esta compilação do saite http://frasesdadilma.wordpress.com/partido-da-imprensa-golpista/frases-nesses-8-anos/,  pois estas pessoas continuarão latindo (perdão, cães), ainda que repetitivamente. Temos todo respeito por quem defenda posturas ideológicas diferentes das nossas, por quem vote em outros candidatos, torça para outro time de futebol, frequente outras igrejas, desde que o façam com argumentos, com lealdade, com sinceridade, com dignidade, com respeito por quem pense diferentemente. Não é o caso destes elementos aqui.

Se meus queridos leitores forem encarar todo texto, por favor, tomem um anti-ácido antes. Edemar.

O PIG nesses 8 anos

Por @Porra_Serra_


Esse é um post colaborativo, caso você possa ajudar com mais frases do PIG, por favor entre em contato.

Pretendo nesse post mostrar o que disseram os “colOnistas” do Partido da Imprensa Golpista nesses 8 anos de Governo Lula, na medida do possível citarei os links das frases e mostrando como os argumentos de tais pessoas são de extrema falsidade, fundamentados por preconceitos, racismos e ódio ao Governo Lula.

O link com a frase original encontra-se na imagem, em vermelho o link desmentindo o PIG:

“Lá [em Honduras] como cá houve, na verdade, um contragolpe. Aqui, por uma ação militar que deixou o Congresso diante de um fato consumado: a invacância da presidência, com a fuga de Goulart para o exterior. Lá, por uma ação totalmente dentro da legalidade.” (Alexandre Garcia, em 29/12/2009.)

Comentário: Documentos vazados pelo Wikileaks comprovam que o  EUA  assume ter ocorrido um golpe de Estado ilegal

“Na cobertura da tragédia da TAM, a grande imprensa se portou como devia. [… Ela] foi, honestamente, testando hipóteses, montando um quebra-cabeça que está longe do fim.” (Ali Kamel)

Comentário: Embora a mídia jogasse a responsabilidade pela a tragédia no Governo Lula, o acidente foi causado por falha humana

“Lula ressuscita a CPMF para vingar-se dos que sepultaram o sonho do terceiro mandato.” (Augusto Nunes em 5 de novembro de 2010)

Comentário: Por ser um estadista, Lula sempre respeitou o jogo democrático e nunca visou o terceiro mandato.

“Eu não estou dizendo que Lula é nazista. […] O que estou dizendo é que Lula e o PT, de modo geral […] têm sistematicamente recorrido a símbolos e táticas que [o teórico nazista] Carl Schmidt de bom grado aprovaria.” (Bolívar Lamounier, 22/10/2010 Sobre a campanha)

Comentário: A campanha de José Serra para a presidência utilizou redes neonazistas para caluniar a Dilma Rousseff

“Todos os limites foram ultrapassados; não há como o Congresso postergar um processo de impeachment contra Lula. Ou melhor, a favor do Brasil.” (Boris Casoy, “Folha de S. Paulo”, 28 de março de 2006)

Comentário: O mensalão nunca foi provado. O PIG tentou usar o escândalo para golpear o Governo Lula

“Duzentas pessoas estão mortas. Elas devem ser somadas às 154 vidas segadas no Boeing da Gol que colidiu com o jato Legacy. Balanço terrível do caos da aviação: 354 vítimas da incompetência, da corrupção, da omissão e do desgoverno.”  ”O presidente é o responsável” (Carlos Alberto Di Franco)

Comentário: Desligamento do transponder pelos pilotos no jato Legacy ocasionou o acidente

Não se pode dizer que o ano foi bom para a economia do Brasil.” (Carlos Alberto Sardenberg, Rádio CBN em 28 de dezembro de 2009)

Comentário: Em 2009, enquanto os países sofreram grave recessão e cortes de emprego, o Governo Lula continuou a política de geração de empregos. O saldo de empregos foi de 1.765.980

“A provável reeleição de Lula é sinal de que, para boa parte dos brasileiros, a ética e a honestidade definitivamente deixaram de ser valores em si mesmas, para tornarem-se qualidades subjetivas.” (Cora Rónai, em 28 de setembro de 2006)

Comentário: O PIG mostra não suportar o jogo democrático, muito menos respeitar o voto soberano e o povo brasileiro.

“Fato é que os Poderes, os partidos, os políticos, as instituições, as entidades organizadas, a sociedade estão todos intimidados, de cócoras ante um mito que se alimenta exatamente da covardia alheia de apontar o que está errado.” (Dora Kramer, “Uma Nação de Cócoras” 15/10/2009)

Comentário: A dondoca indignada por ninguém escutar seu cacarejar.

“O segundo erro foi tratar como autêntica uma ficha cuja autenticidade, pelas informações hoje disponíveis, não pode ser assegurada – bem como não pode ser descartada.” (Folha de S. Paulo sobre a ficha falsa do DOPS sobre Dilma Rousseff)

Comentário: Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, Bicho Papão e ET de Varginha. A autenticidade desses personagens não pode ser assegurada – bem como não pode ser descartada.

“E, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo.” (Judith Brito, presidente da Associação Nacional de Jornais, em 17 de março de 2010)

Comentário: Estamos esperando os meios de comunicação serem honestos e dizer que são de oposição

“A irritação do presidente Lula com as críticas demonstra a dificuldade de conviver com a democracia.” (Marco Antonio Villa, Folha de S. Paulo, 24 de setembro de 2010. Contexto: Lula criticou a imprensa)

Comentário: Como diz o Lula: “Não existe maior censura do que a ideia de que a mídia não pode ser fiscalizada”

“O PT vai pensar com mais cuidado na escolha de seu candidato para a Presidência. Será mesmo a Dilma Rousseff? Se alguém quiser dar nome a um poste, pode chamá-lo de Dilma. Ela nunca foi eleita para um cargo representativo, não tem experiência eleitoral. Como pretendem jogá-la na eleição de 2010, que se anuncia como a mais disputada da história republicana do Brasil?” (Marco Antonio Villa, no “Estado de S. Paulo” 28/10/2008)

Comentário: Uma mulher que lutou contra a ditadura, foi barbaramente torturada, Secretária Municial da Fazenda, Secretária de Minas e Energia, Ministra de Minas e Energia, Ministra da Casa Civil e Presidenta do Brasil pode ser considerada um poste?

“Serra foi atingido, sim, por uma bobina de papel crepe (o tal ‘artefato’) que, arremessado com força, pode provocar danos graves na pessoa atingida.” (Merval Pereira, em 24 de outubro de 2010)

Comentário: O fato é que José Serra foi atingido somente uma vez e por uma bolinha de papel, contrariando a versão do PIG.

“Depois de aparelhar o estado por oito anos, numa versão petista de ‘o estado sou eu’, Lula  bradou ontem num comício em Campinas que ‘a opinião pública somos nós’. Do alto de sua popularidade, nosso Luis XIV tropical acha definitivamente que tomou posse do povo brasileiro.” (Lauro Jardim, em 19 de outubro de 2010.)

Comentário: O PIG nervoso por descobrir através do Lula que o povo brasileiro são seres pensantes.

“Se o Serra ganhasse, faríamos uma festa em termos das liberdades.”  (Demétrio Magnoli, 1/3/2010).

Comentário: Que liberdade o Serra prega? A de imprensa? Logo ele que é responsável por demissões de jornalistas e roubo de gravações na CNT?

“Impressionante como a política atrai vagabundo e picareta, aproveitar pelo presidente da república que não vale nada,vai demorar gerações para que o Brasil desfaça o mal que o Lula fez, eu tenho que desmistificar esse picareta que está na presidência da república” (Marcelo Madureira, Manhatan Connection, 03 de outubro de 2010)

Este governo que está aí é um governo autoritário que não perde a oportunidade de mostrar seu autoritarismo” (TV Estadão, 02 de março de 2010)

Comentário: Caceta & Planeta acabou, mesma tática de Tasso Jereissati e César Maia: Ao ficar desempregado, ataque o Lula por toda frustração e impotência sexual guardada ao longo da vida.

“Dilma não é uma ameaça ao vernáculo ─ mas à segurança nacional. Essa mulher evidentemente não tem a menor condição de representar um único brasileiro ─ sequer seu neto Gabriel, ainda ‘unborn’. (…) No dia em que o Criador, depois da última cinzelada na criatura, ordenou ‘Fala Dilma’, o mito começou a ruir.” (Celso Arnaldo, no site da “Veja”, 16/5/2010)

Comentário: O neto da Dilma nem havia nascido e o PIG já o bombardeou. “O mito começou a ruir”? Só digo isso: Dilma Presidenta.

“Cada vez mais, Lula tem menos chances. A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira pelo Jornal Nacional mostra que o presidente Lula foi atingido em cheio pelas denúncias.” (Cristiana Lôbo, em artigo no jornal “O Globo” 29/8/2005)

Comentário: Cristiana Lôbo como jornalista é uma ótima vidente. Ops, nem isso!

O Brasil pode não aderir, mas é incapaz de impedir a formação da Alca.” (Eurípedes Alcântara, em artigo na revista “Veja” 15/10/2003)

Comentário: Ministro Celso Amorim disse tudo sobre o Alca: “(…)foi melhor talvez mesmo não ter tido a Alca. A crise nos EUA demonstrou isso. Nós ficamos mais protegidos, tivemos mais liberdade. E pudemos investir numa política Sul-Sul. E nada foi mais importante do que o processo de integração da América do Sul

“Em breve, o número de carentes duplicará e o dispêndio com o programa, também.” (Ferreira Gullar, em artigo na “Folha de S. Paulo” 5/7/2009)

Comentário:  A verdade é que mais de 2 milhões de famílias deixaram o programa por ter ascendido socialmente. Vale ressaltar também que nas famílias beneficiadas, há um aumento na frequência escolar e na aprovação. Há também redução trabalho infantil e no abandono escolar

“Gripe [suína] pode afetar até 67 milhões no Brasil em até oito semanas. […] De 3 milhões a 16 milhões desenvolverão algum tipo de complicação a exigir tratamento médico e entre 205 mil e 4,4 milhões precisarão ser hospitalizados.”Helio Schwartzmann, em matéria na “Folha de S. Paulo” 19/7/2009)

Comentário: Documentário estrangeiro (legendado) mostra o quão golpista foi essa  ”Operação Pandemia”

Aécio fecha acordo para ser vice de Serra.” (Kennedy Alencar, em coluna na “Folha de S. Paulo” 17/5/2009)

Comentário: Mais uma barrigada… quer dizer, furo jornalístico.


O governo Lula terminou quando ele não soube ou não pôde enfrentar sem medo o mar de lama do caixa 2 do PT, do mensalão de Delúbio Soares e das falcatruas alimentadas pelo loteamento de cargos públicos.” (Lucia Hippolito, em artigo no “Globo” 2005)

Comentário: Será que a Lucia Hippolito também estava bêbada ao escrever? (Youtube)

“Lula, o Lírico da Marolinha, deveria se desculpar pela besteira que falou. O efeito da crise no Brasil, no que concerne ao emprego (ver um dos posts abaixo), está mais perto mesmo de uma tsunami.” (Reinaldo Azevedo, em post no site da “Veja” 14/1/2009).

Comentário: Mais uma vez terei de citar, o que houve foi um tsunami de empregos. Em 2009, enquanto os países sofreram grave recessão e cortes de emprego, o Governo Lula continuou a política de geração de empregos. O saldo de empregos foi de 1.765.980

“Vocês viram essa? Lula, ao deixar a Presidência, quer escrever de vez em quando. Sim, vocês leram direito: escrever” (Ricardo Setti, Veja, 28 de outubro de 2010)

Comentário: Silvio Santos (empresário) não cusrou ensino superior. Bill Gates (empresário – Microsoft), Michael Dell (empresário – Dell) e Steve Jobs (empresário – Apple) não concluíram o ensino superior. Por que não cobram dos milionários?  O PIG se mata de inveja, não conseguem aceitar que Lula é “O Cara”.

“Por que devemos curvar-nos ante a magnificência presidencial de um pervertido que se gaba de ter tentado estuprar um companheiro de cela e diz sentir nostalgia do tempo em que os meninos do Nordeste tinham – se é que tinham – relações sexuais com cabritas e jumentas?” (Olavo de Carvalho, Diário do Comércio 20/12/2010)

Comentário: Como todos sabemos, a história do estupro é falsa. Mas o Olavo de Carvalho com certeza ganhou o troféu de FILHO DA P* do ano com esse comentário.

“(…) com Lula no poder o Brasil tornou-se, de forma premeditada, um dos países mais corruptos do mundo, onde a população se deixa escravizar seis meses ao ano para, entre outras mazelas, financiar o incontrolável aparelhamento da máquina pública, a bilionária propaganda enganosa, os “movimentos sociais” criminosos, as incontáveis ONGs parasitárias, o fausto palaciano, os partidos políticos de aluguel, programas sociais fraudulentos, etc., para não falar no enriquecimento súbito e milionário de amigos e familiares” (Ipojuca Pontes, “Lula, o filho do Mal” 21 setembro de 2009)

Comentário: Como vocês veem, o Brasil é o pior lugar do mundo para se morar.

“É óbvio também que ao longo dos últimos anos os fatos se impuseram, de maneira impiedosa, aos que elogiaram a política externa de Lula como um de seus grandes feitos. Quem sabe perdeu-se muito tempo à procura do ponto G.” (William Waack, Globo, 29 de junho de 2007)

Comentário: Saiu no jornal alemão Der Spiegel: “Lula salta para a Grande Liga da diplomacia mundial“. Quem tem credibilidade?

A biografia de Lula será escrita nos tribunais. O julgamento histórico de seus oito anos no poder estará estampado numa série de inquéritos penais.” (Diogo Mainardi, Veja, 20 de março de 2010)

Comentário: A biografia do Lula está concorrendo ao Oscar.

“Sobre o livro ‘Lula, minha anta‘, no caso é anta substantivo e não adjetivo. Eu não tenho grande apreço pelo intelecto do presidente mas nesse caso é animal de caça, eu caçei esse bicho durante 2 anos e ele conseguiu fugir” (Diogo Mainardi, no Programa do Jô)

Na única vez que fiquei ao lado do Lula, eu cometi um ato criminoso. Isso deve ser um indicativo de alguma coisa” (Diogo Mainardi, no Programa do Jô falando que participou de uma greve”)

Comentário: Mainardi como todos sabem, sofre de inveja crônica. Além disso, é citado pelo Nassif como lobista de Daniel Dantas.

“A chamada política nacional dos direitos humanos do governo Lula põe fim à liberdade de expressão e opinião dos meios de comunicação e de pesquisa científica. Ainda dá um chute no balde de nossa galinha dos ovos de ouro, o agronegócio. Comparadas com isso aí, as reformas de base de João Goulart que levaram os militares ao poder em 64 é café pequeno, mas hoje o presidente assina sem ler, a oposição também não lê e os militares, bem, alguém sabe por onde anda os militares?” (José Nêumanne Pinto, SBT)

Comentário: Por um momento pensei que Nêumanne estivesse convocando um golpe militar. É incrível como o PIG que prega “liberdade de imprensa” e ao mesmo tempo adora uma ditadura.

Dilma parece estar no seu inferno astral. Além da radioterapia, ela enfrenta a entrada em cena de Marina, o empate com Ciro nas pesquisas, o envolvimento desgastante de Lula e do PT com a defesa de Sarney e, enfim, a cristalização da imagem de mentirosa (diploma, dossiê contra FHC, embate com Lina Vieira, versões divergentes de sua ação no caso Varig)” (Eliane Cantanhêde, Pulverização Governista, agosto de 2009)

Comentário: Lina Vieira é casada com ex-ministro de FHC e suspeita de tráfico de influência e prevaricação. Dilma Rousseff, a presidenta do Brasil, é a mentirosa?

“O governo tem que ter um plano para enfrentar a recessão. (…) O problema da tese da marolinha é que ela foi um diagnóstico errado e quando o governo erra no diagnóstico, ele não vê o que está realmente acontecendo na economia. (…)” (Miriam Leitão, no Bom Dia Brasil (Globo) em 2009)

Comentário: Chega a ser cômico as análises da Miriam Leitão, só para citar: “Brasil ganha nota máxima em medição da reação à crise” e “Brasil recebe elogios por reação à crise global”. Mais uma barrigada do PIG.

“OK, NINGUÉM É perfeito. Mas por um momento Obama nos pareceu a pessoa mais perfeita do mundo; aquele presidente que adoraríamos ter. Mas pouco tempo passou para ele dar uma pisada de bola. Foi quando disse, de maneira elogiosa, que Lula era o “cara”. Tudo bem, ele não pode saber de tudo o que acontece no Brasil, mas para isso tem 500 assessores que deveriam contar as barbaridades que o nosso presidente diz -e permite que façam.” (Danuza Leão, Folha de São Paulo, 12 de abril de 2009)

Comentário: É o famoso”complexo de vira-latas”, o que vem de fora é melhor. O PIG acha tudo de fora bonitinho, já o que é brasileiro é ruim. Veja o discurso histórico de Lula sobre isso (Youtube)

“A idéia de comemorar as bodas de pérola com uma festa caipira não podia ter sido pior. O Brasil tem tantos regionalismos bacanas, uma culinária riquíssima, várias maneiras de ser cheias de ginga e charme que deslumbram o mundo inteiro, e o presidente e dona Marisa Letícia vão escolher logo uma caipirada dessas?” (Danuza Leão, 15 de junho de 2004)

Comentário: O PIG possui um ódio enorme do povo brasileiro e de sua cultura.

“Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos. Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes , as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo. Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações.
Comentário: Olavo de Carvalho chama o Lula de pervertido e estuprador, já Jabor chama de psicopata. Essa é a ética do PIG

Lula deve desculpas a Serra. Chamou-o de mentiroso sem ver os vídeos que reconstituem o incidente. Se os tivesse visto, não teria mentido, pois só uma pessoa desonesta (e as houve, muitas) não via que retratavam dois episódios, distintos. Serra foi atingido duas vezes, por uma bola de papel e por um objeto mais pesado. A entrada de Nosso Guia [Lula] no debate foi um golpe desleal, demagógico. Se tivesse ocorrido um “dia da farsa”, com Serra simulando uma agressão, teria havido uma malfeitoria de candidato. Infelizmente o farsante foi Lula” (Elio Gaspari, 24 de outubro de 2010)

Comentário: O Indio da Costa deve estar certo então: “Eu estava ao lado do Serra quando aquele pacote enorme bateu na cabeça dele e fez até barulho, tinha 2kg. Veio numa velocidade enorme” Um OVNI

 

 

Algumas frases foram copiadas do blog “Curso Básico de Jornalismo Manipulativo”.


2011 – A primeira corrente da sorte

27/12/2010

 

Por Zilton Tadeu

 

Comunico a todos os AMIGOS que me enviaram correntes que prometiam fortuna em dinheiro em 2010, que:

NÃO FUNCIONOU!!!

Por isso, para 2011, vamos organizar uma verdadeira corrente milionária, que funcione.

Comprometo-me a testá-la, mesmo correndo riscos.

TESTE:Por favor, deposita o dinheiro diretamente na minha conta corrente:

Banco 001-do Brasil

Agência 1899-6

Conta 9985.660-3

Titular ZILTON TADEU

Obrigado.

MUITO IMPORTANTE – Não te esqueças, se fizeres um generoso depósito, uma generosidade proporcional e ainda maior provavelmente acontecerá na tua conta.

Mas, se não fizeres!…

O imposto de renda te morderá na fonte em 27,5%… para início de conversa…

O governo reajustará para R$ 580,00 o salário-mínimo da tua (emergente) empregada doméstica…

As empresa de ônibus poderão legalizar em 30 minutos – nenhum a menos – o intervalo das linhas urbanas… e também reajustar as tarifas para R$ 3,00 como já fez São Paulo/Kassab(free-market)…

Os pedágios de FHC (do filho dele, na verdade) serão reajustados acima da inflação (free-float)…

Os empréstimos (salva-vidas para comprar os remédios) consignados dos aposentados sofrerão restrições. terão o teto rebaixado e os juros liberados(free-interests)…

A safra de cana-de-acúcar sofrerá perdas climáticas consideráveis aumentando o preço do álcool e, por consequência, o da gasolina(free-float-market)…

As escolas particulares não mais terão seus módicos reajustes monitorados pelo governo(free-float)…

Tampouco serão monitorados os horários das empresas aéreas(free-time)…

O partido de FHC+aliados condenará a ocupação pacificadora das favelas e apresentará PL instituindo a solução final através da descriminalização dos tóxicos desde que vendidos em tabacarias, bares e farmácias, mesmo nas proximidades de escolas para adolescentes, assim como já fazem hoje com a cerveja, o cigarro e os “psicotrópicos”…

E por aí vai.

 

EM TEMPO: colega do Banco do Brasil, peço que faças o depósito imediatamente, pois o BB já se apropriou, à vista, de 50% dos 15 bilhões do “superávit” de 2007 na nossa conta-fundo-Previ, mas eu ainda não vi a cor dos 20% da parcela quinquenal da minha merreca-esmola mensal até 2015(tem que ser aprovado pela Best, Cest, Dest, Fest, Gest, etcEST)… se não houver desequilíbrio atuarial! (viste como eu sou esperto, aprovei tudo isso aí para mim… mereço…)

EM TEMPO(2) – aproveito para agradecer aos PDVistas, viúvas dos suicidados, aposentados e pensionistas, que não receberam os reajuste de Lei devidos há mais de 10 anos, pela generosidade de renunciarem a seus direitos líquidos e certos para que nós, em seus nomes (e fundos) pudéssemos repartir generosamente com o BB o “superávit. Minha eterna gratidão…

 

Por favor, o depósito, faz AGORA. É minha única oportunidade de fazer Caixa para pagar as contas vencíveis até 5 de janeiro. Por favor!…

Obrigado.

 

Edemar, que não pode provar ter sido autorizado a publicar, mas também não pode provar que não foi.


Conto de Natal

27/12/2010

 

Maria e José na Palestina em 2010

Por James Petras

Os tempos eram duros para José e Maria. A bolha imobiliária explodira. O desemprego aumentava entre trabalhadores da construção civil. Não havia trabalho, nem mesmo para um carpinteiro qualificado.

Os colonatos ainda estavam a ser construídos, financiados principalmente pelo dinheiro judeu da América, contribuições de especuladores de Wall Street e donos de antros de jogo.

“Bem”, pensou José, “temos algumas ovelhas e oliveiras e Maria cria galinhas”. Mas José preocupava-se, “queijo e azeitonas não chegam para alimentar um rapaz em crescimento. Maria vai dar à luz o nosso filho um dia destes”. Os seus sonhos profetizavam um rapaz robusto a trabalhar ao seu lado… multiplicando pães e peixes.

Os colonos desprezavam José. Este raramente ia à sinagoga, e nas festividades chegava tarde para fugir à dízima. A sua modesta casa estava situada numa ravina próxima, com água duma ribeira que corria o ano inteiro. Era mesmo um local de eleição para a expansão dos colonatos. Por isso quando José se atrasou no pagamento do imposto predial, os colonos apropriaram-se da casa dele, despejaram José e Maria à força e ofereceram-lhes bilhetes só de ida para Jerusalém.

José, nascido e criado naquelas colinas áridas, resistiu e feriu uns tantos colonos com os seus punhos calejados pelo trabalho. Mas acabou abatido sobre a sua cama nupcial, debaixo da oliveira, num desespero total.

Maria, muito mais nova, sentia os movimentos do bebé. A sua hora estava a chegar.

“Temos que encontrar um abrigo, José, temos que sair daqui… não há tempo para vinganças”, implorou.

José, que acreditava no “olho por olho” dos profetas do Antigo Testamento, concordou contrariado.

E foi assim que José vendeu as ovelhas, as galinhas e outros pertences a um vizinho árabe e comprou um burro e uma carroça. Carregou o colchão, algumas roupas, queijo, azeitonas e ovos e partiram para a Cidade Santa.

O trilho era pedregoso e cheio de buracos. Maria encolhia-se em cada sacudidela; receava que o bebé se ressentisse. Pior, estavam na estrada para os palestinos, com postos de controlo militares por toda a parte. Ninguém tinha avisado José que, enquanto judeu, podia ter-se metido por uma estrada lisa pavimentada – proibida aos árabes.

Na primeira barragem José viu uma longa fila de árabes à espera. Apontando para a mulher muito grávida, José perguntou aos palestinos, meio em árabe, meio em hebreu, se podiam continuar. Abriram uma clareira e o casal avançou.

Um jovem soldado apontou a espingarda e disse a Maria e a José para se apearem da carroça. José desceu e apontou para a barriga da mulher. O soldado deu meia volta e virou-se para os seus camaradas. “Este árabe velho engravida a rapariga que comprou por meia dúzia de ovelhas e agora quer passar”.

José, vermelho de raiva, gritou num hebreu grosseiro, “Eu sou judeu. Mas ao contrário de vocês… respeito as mulheres grávidas”.

O soldado empurrou José com a espingarda e mandou-o recuar: “És pior do que um árabe – és um velho judeu que violas raparigas árabes”.

Maria, assustada com o caminho que as coisas estavam a tomar, virou-se para o marido e gritou, “Pára, José, ou ele dispara e o nosso bebé vai nascer órfão”.

Com grande dificuldade, Maria desceu da carroça. Apareceu um oficial do posto da guarda, a chamar por uma colega, “Oh Judi, apalpa-a por baixo do vestido, ela pode ter bombas escondidas”.

“Que se passa? Já não gostas de ser tu a apalpá-las?” respondeu Judith num hebreu com sotaque de Brooklyn. Enquanto os soldados discutiam, Maria apoiou-se no ombro de José. Por fim, os soldados chegaram a um acordo.

“Levanta o vestido e o que tens por baixo”, ordenou Judith. Maria ficou branca de vergonha. José olhava para a espingarda desmoralizado. Os soldados riam-se e apontavam para os peitos inchados de Maria, gracejando sobre um terrorista ainda não nascido com mãos árabes e cérebro judeu.

José e Maria continuaram a caminho da Cidade Santa. Foram frequentes vezes detidos nos postos de controlo durante a caminhada. Sofriam sempre mais um atraso, mais indignidades e mais insultos gratuitos proferidos por sefarditas e asquenazes, homens e mulheres, leigos e religiosos – todos soldados do povo Eleito.

Já era quase noite quando Maria e José chegaram finalmente ao Muro. Os portões já estavam fechados. Maria chorava em pânico, “José, sinto que o bebé está a chegar. Por favor, arranja qualquer coisa depressa”.

José entrou em pânico. Viu as luzes duma pequena aldeia ali ao pé e, deixando Maria na carroça, correu para a casa mais próxima e bateu à porta com força. Uma mulher palestina entreabriu a porta e espreitou para a cara escura e agitada de José. “Quem és tu? O que é que queres?”

“Sou José, carpinteiro das colinas do Hebron. A minha mulher está quase a dar à luz e preciso de um abrigo para proteger Maria e o bebé”. Apontando para Maria na carroça do burro, José implorava na sua estranha mistura de hebreu e árabe.

“Bem, falas como um judeu mas pareces mesmo um árabe”, disse a mulher palestina a rir enquanto o acompanhava até à carroça.

A cara de Maria estava contorcida de dores e de medo; as contracções estavam a ser mais frequentes e intensas.

A mulher disse a José que levasse a carroça de volta para um estábulo onde se guardavam as ovelhas e as galinhas. Logo que entraram, Maria gritou de dor e a palestina, a que entretanto se juntara uma parteira vizinha, ajudou rapidamente a jovem mãe a deitar-se numa cama de palha.

E assim nasceu a criança, enquanto José assistia cheio de temor.

Aconteceu que passavam por ali alguns pastores, que regressavam do campo, e ouviram uma mistura de choro de bebé e de gritos de alegria e se apressaram a ir até ao estábulo levando as suas espingardas e leite fresco de cabra, sem saber se iam encontrar amigos ou inimigos, judeus ou árabes. Quando entraram no estábulo e depararam com a mãe e o menino, puseram de lado as armas e ofereceram o leite a Maria que lhes agradeceu tanto em hebreu como em árabe.

E os pastores ficaram estupefactos e pensaram: Quem seria aquela gente estranha, um pobre casal judeu, que chegara em paz com uma carroça com inscrições árabes?

As novas espalharam-se rapidamente sobre o estranho nascimento duma criança judia mesmo junto ao Muro, num estábulo palestino. Apareceram muitos vizinhos que contemplavam Maria, o menino e José.

Entretanto, soldados israelenses, equipados com óculos de visão nocturna, reportaram das suas torres de vigia que cobriam a vizinhança palestina: “Os árabes estão a reunir-se mesmo junto ao Muro, num estábulo, à luz das velas”.

Abriram-se os portões por baixo das torres de vigia e de lá saíram camiões blindados com luzes brilhantes, seguidos por soldados armados até aos dentes que cercaram o estábulo, os aldeões reunidos e a casa da mulher palestina. Um altifalante disparou, “Saiam cá para fora com as mãos no ar ou disparamos”. Saíram todos do estábulo, juntamente com José, que deu um passo em frente de braços virados para o céu e falou, “A minha mulher Maria não pode obedecer às vossas ordens. Está a amamentar o menino Jesus”.

 

O original encontra-se em http://petras.lahaine.org/articulo.php?p=1831&more=1&c=1 . Tradução de Margarida Ferreira.

 

 

Edemar.


As perspectivas de Dilma Roussef

24/12/2010

 

Laerte Braga

Se levarmos em conta os fatos que têm sido mostrados todos os dias em
documentos vazados pelo site WIKILEAKS, Dilma Roussef começa sua caminhada
em janeiro como um acrobata que faz aquelas travessias fantásticas pelos
Alpes, quilômetros acima do nível do chão.

Não há como imaginar que um governo possa ser diferente de um exercício de
equilibrismo quanto entre seus ministros tem figuras como Moreira Franco e
Nelson Jobim, isso para ficar em dois. E ambos em ministérios estratégicos,
ambos, comprovadamente corruptos e comprometidos com interesses de potência
e grupos estrangeiros.

Há um risco que Dilma corre e de saída vai precisar mostrar que está à
altura do desafio. O de ser capaz de se equilibrar sem concessões a esse
tipo de bandido travestido de político. Dilma não é Lula e até que ponto vai
conseguir não sei, só depois dos primeiros momentos do seu governo vai ser
possível avaliar.

O fato torna-se mais preocupante ainda quando afasta figuras respeitadas
mundialmente como Samuel Pinheiro Guimarães e Celso Amorim de ministérios
chaves e nomeia para as Relações Exteriores um diplomata que em sua primeira
declaração critica o voto do País sobre o Irã. Antônio Patriota está no
governo Lula há oito anos e agora manifesta essa posição.

De fazer inveja a qualquer camaleão.

O que talvez Dilma não tenha entendido é que foi eleita presidente em função
de Lula. Do contrário nem vereadora em Porto Alegre, ou Belo Horizonte. E em
função de Lula significa dizer das políticas do atual governo nesses oito
anos do presidente.

Em tese poderíamos dizer um programa, estratégias e táticas montadas em cada
momento, de cada dificuldade. Segurou-se em seu carisma, nos avanços obtidos
em políticas sociais, na estabilidade econômico/financeira (sem mudanças em
relação às políticas neoliberais), acima de tudo na política externa que foi
capaz de transformar o Brasil de um gigante adormecido numa voz influente e
decisiva em todo o mundo.

Dilma foi escolhida e eleita para isso. Não quer dizer que tenha que ser
tutelada ou fantoche de Lula, mas deve e tem o dever de mostrar um
compromisso expresso com essa postura. E perceber, aí sim, a possibilidade
de avanços concretos e efetivos já que os anos de turbulência passaram e os
brasileiros foram claros na sua opção.

O “capitalismo a brasileira”, invenção de Lula na perfeita definição de Ivan
Pinheiro, pode e deve começar a ser transformado em avanços na direção do
socialismo. É fundamental compreender que o confronto com as forças
conservadoras é inevitável, hoje ou amanhã e quando mais tarde acontecer,
maiores serão as chances de sermos engolidos.

O PT não é um partido de caráter revolucionário, “diferente” como se dizia,
tampouco uma vestal. É só um PMDB ou um PSDB diferente (sem aspas) no jogo
do clube de amigos e inimigos cordiais preocupado em manter cargos,
sinecuras, ocupar espaços na máquina estatal, nada além disso. As principais
lideranças petistas hoje nem sabem mais a história e a gênese do partido.

O movimento popular e a parte não contaminada do movimento sindical, formas
de participação popular serão essenciais. E nisso o debate da comunicação é
decisivo.

Os mais recentes documentos do WIKILEAKS mostram a preocupação e as pressões
do governo dos EUA sobre o Brasil na questão iraniana. Os norte-americanos
não gostam da política de Amorim em relação ao Irã. Não se trata da questão
nuclear, qualquer leigo sabe que o Irã está se preparando para construir
armas nucleares e o caráter dessas armas, ali, é defensivo, diante da
barbárie dos EUA e de Israel (milhões de iranianos morreram na guerra contra
o Iraque, montada, orquestrada e dirigida por Washington.)

A política externa brasileira dificultou ações terroristas tanto dos EUA
quanto de Israel na região. A maior potência do mundo estava acostumada com
a submissão brasileira no governo de FHC (até sapato o chanceler tirava no
aeroporto de New York para submeter-se a revista).

Imaginar que dois sacripantas como Nelson Jobim (o WIKILEAKS já mostrou suas
ligações com os norte-americanos) e Moreira Franco vão se preocupar com o
Brasil é acreditar na conversão do diabo.

Como Dilma vai lidar com isso é uma incógnita. Como vai lidar com os
apetites de PT, PMDB e outros menores para cargos na máquina estatal é outro
problema.

O risco de tornar-se presa fácil de forças conservadoras e jogar por terra
todos os motivos que a transformaram em presidente é grande.

O fim do governo Lula, respeitado no mundo inteiro, vai fazer com que
norte-americanos aumentem o som e o tom das pressões sobre o governo
brasileiro para um alinhamento incondicional. Se isso acontecer o retrocesso
será sem tamanho, levando em conta que o próprio governo Lula funcionou em
compartimentos estanques administrados na prodigiosa capacidade de
equilibrismo do presidente.

E tudo isso sem levar em conta que as forças armadas brasileiras em sua
absoluta maioria bate continência para Washington e essa maioria esta louca
para o restabelecimento da “ajuda por fora”, para treinamento com os
brinquedinhos que lá se tornam imprestáveis e aqui ajudam a silenciar
consciências.

O desafio da integração latino-americana, um processo que se iniciou a
partir do presidente Chávez da Venezuela e hoje tem a força de uma realidade
da qual não se pode fugir sob pena de voltarmos a ser a velha AMÉRICA
LATRINA, ou nos transformamos num México separado dos enviados divinos por
um muro.

É só olhar a Europa Ocidental. Um amontoado de ex-grandes impérios
transformados em colônias e bases militares de um monstrengo chamado OTAN
(ORGANIZAÇÃO DO TRATADO ATLÂNTICO NORTE), pretexto para a ocupação imperial
norte-americana.

Ou alguém ainda acredita que o primeiro-ministro britânico, ou a chanceler
da Alemanha acorda e reza a Papai do Céu? Agradece a Obama mais um dia e
pronto.

Nem falo de Berlusconi. Qualquer crítica feita na Itália a Tiririca seria
desqualificada na figura do próprio primeiro-ministro.

Apostar única e exclusivamente nas políticas sociais, sem transformá-las em
alavancas de transformações no modelo, ampliando o processo de reforma
agrária e na estabilidade econômica é o mesmo que não sair do lugar e
permitir espaços que os grupos conservadores vão ocupar e preparar para a
reconquista do poder.

Aécio está aí prontinho para isso.

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza é autor de um
projeto de lei redigido pela advogada da multinacional MONSANTO. Libera o
uso da tecnologia “terminator” – que é proibida em todo o mundo e condenada
pela ONU – para atender a interesses dos agronegócio.

O veneno nosso de cada dia naquela conversa fiada de feijão/soja/arroz/milho
do tamanho de uma abóbora.

Como Dilma vai lidar com isso? A proposta revoga a lei de Biossegurança, do
governo Lula e introduz a tecnologia da dependência absoluta. A semente que
germina uma só vez, a semente estéril. A dependência alimentar plena e
absoluta e com recheio de veneno.

Uma das tecnologias a “terminator” é considerada ameaça a diversidade de
cultivos e a soberania alimentar desde 1998. ONU, Convenção de
Biodiversidade recomendam que países não usem essas sementes, nem as
comercializem. O Brasil em 2006 manteve a decisão de não fazê-lo e
naturalmente a MONSANTO financiou a campanha de Vaccarezza, como qualquer
VALE financia latifundiários padrão Kátia Abreu no afã de destruir o
Pantanal a Amazônia, colocar o Brasil na Idade Média.

Vaccarezza é um escárnio. O projeto foi redigido pela advogada Patrícia
Fukuma, da MONSANTO e soa como fatura do financiamento da campanha do
deputado petista. Nem escondem isso nos documentos constantes do PL
5575/2009. Vaccareza diz que conversou com ela, mas “não tem nenhuma
relação”. Aprendeu a arte da cretinice depressa. É óbvio, essa pressa é
proporcional ao aumento da conta bancária.

Como é que Dilma vai lidar com esse tipo de gente formando a base do
governo?

Não são perspectivas positivas. Os primeiros momentos, com certeza, serão de
festas. Os segundos, terceiros, vão depender da presidente honrar os
compromissos de campanha no mínimo e buscar avanços no curso do próprio
processo conseqüência das conquistas do governo Lula, tanto quanto
rejeitando as concessões do atual presidente.

Do contrário se Sarney vier a morrer no meio do caminho mumificam e o mantém
na presidência do Senado, ou exumam ACM.

Não consegui identificar fontes (recebi por imeil), logo não confirmo a autoria. Concordo                                                                                                                                                     com tudo, claro, muito especialmente com a apreciação feita do nobre Deputado Vacarezza.                                                                                                                                             Como dizia minha avó, os bons, quando se tornam maus, ficam péssimos. 

Edemar.