Iran, capital Teerã – uma outra visão

 

Conheci Beto Almeida no I Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, ano passado. É com grande prazer que reproduzo aqui trabalho desse jornalista sério e competente.  Edemar.

 

Beto Almeida, direto de Teerã.

 

Chegamos ao Aeroporto Internacional Khomeini, em Teerã, às 2 horas da madrugada, após 17 horas e meia de voo e vimos nos monitores de tv a informação ao Dia Internacional da Energia Nuclear, que havia motivado a pronunciamento do presidente Mahmoud Armadinejad reafirmando a determinação do Irã de alcançar o pleno uso desta modalidade de energia para uso civil. Como sabemos, esta determinação vem causando controvérsia internacional e já levou as grandes potencias atômicas, puxadas pelos EUA, a aprovarem sanções contra o Irã na ONU, revelando, uma vez mais, sua robusta hipocrisia e suas regras de dupla moral, cujo sentido claro é impedir que outras nações emergentes também dominem este fator que representa enorme salto tecnológico e produtivo.

Lembrei-me, imediatamente, da polêmica internacional em torno do tema, envolvendo também o Brasil e a Turquia, que patrocinaram um acordo tripartite com o Irã, que fará um ano em junho próximo. Acordo que o Conselho de Segurança da ONU optou por não construir. A posição assumida pelo Brasil e Turquia revelaram o potencial de diálogo que pode ser aplicado em soluções controvérsias, enquanto a ONU inclinou-se, uma vez mais, pela ruptura, a truculência, a via do porrete, do castigo.

Teerã tem aproximadamente 9 milhões de habitantes, é a décima maior cidade do mundo e nela está instalado o principal da economia iraniana, que inclui uma indústria nacional de automóveis, caminhões, motocicletas, aviação, medicamentos, com expressivo desenvolvimento da tecnologia nacional, sobretudo, a partir de uma situação imposta pela guerra Irã-Iraque, com este último país apoiado pelos EUA. O Irã deu um salto produtivo e tecnológico. Hoje fabrica seus próprios submarinos, tem um programa nuclear avançado e prepara-se para lançar, no próximo ano, seu primeiro cosmonauta ao espaço. A média de idade dos cientistas iranianos é de 30 anos. A Revolução Islâmica tem 32 anos e durante este período foram realizadas 30 eleições diretas para os vários níveis de representação do país.

Enquanto Teerã ia surgindo diante de nossos olhos como uma cidade pujante, moderna, bem cuidada, sem favelas, servida de metro, linhas de onibus de tecnologia chinesa e movidos a gás, pensava no discurso feito pelo presidente Ahmadinejad perante a Assembléia Geral da ONU, quando ele levou à entidade a proposta de que assumisse, sem mais, sem dupla moral, sem mais hipocrisia em favor das nações super-armadas contra as desarmadas uma linha política clara e equilibrada: “Energia Nuclear para Todos, Armas Nucleares para Ninguém!”.

Este foi o nosso primeiro contato direto com a Nação e o povo iraniano. Visitamos ainda dois museus organizadíssimos, repletos de jovens e de turistas de vários países. Um deles onde morava o Xá Reza Pahlevi, que dominou o Irã por décadas, sendo colocado no poder por um golpe de estado patrocinado pela Cia e pela Inglaterra, a cujos interesses serviu com odiosa repressão aos movimentos sociais, trabalhadores e intelectuais. E a quem entregou as riquezas nacionais, sobretudo o petróleo.

O povo nunca tivera acesso antes a este conjunto de Palácios, agora um museu público, aberto pela Revolução Islâmica de 1979 à visitação de todos. Também pudemos ter um emocionante contato com um balé popular, bailarinos de regiões desérticas, comunicando sua humanidade, seu vigor, sua arte agregadora e comovente, para um público que lotava os jardins da Casa dos Artistas Iranianos, instituição estatal que promove a diversificada e multifacética expressão artísticas deste povo de cultura milenar. Povo que hoje caminha com suas próprias pernas por uma linha de desenvolvimento soberano e independente, razão das ameaças que sofre das grandes potências acostumadas a imporem submissão e vassalagem. Os iranianos têm cultura e valor próprios para rejeitar formas de neocolonialismo e para assumir, como galhardia e nobreza, o seu próprio destino histórico.

 

Texto – Beto Almeida, diretamente de Teerã
Membro da Junta Diretiva da Telesur e do Pátria Latina
Fonte: Patria Latina

Anúncios

One Response to Iran, capital Teerã – uma outra visão

  1. osmar martins disse:

    solicito, endereço: para correspôndêndicia via correios, para o presidente MAHOMOUD DO IRÂ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: