CASSI, PREVI, seus aposentados & a rã sendo cozida

31/01/2010

História da rã que não sabia que estava sendo cozida

Imagine uma panela cheia de água fria, na qual nada, tranquilamente, uma pequena rã.  Um pequeno fogo é aceso embaixo da panela, e a água se esquenta muito lentamente, e a râ não se apercebe de nada! Pouco a pouco, a água fica morna, e a rã, achando isso bastante agradável, continua a nadar.  A temperatura da água continua subindo… Agora, a água está quente mais do que a rã pode apreciar; ela se sente um pouco cansada, mas, não obstante isso, não se amedronta.  Agora, a água está realmente quente, e a rã começa a achar desagradável, mas está muito debilitada; então, suporta e não faz nada.  A temperatura continua a subir, até quando a rã acaba simplesmente cozida e morta.
Se a mesma rã tivesse sido lançada diretamente na água a 50 graus, com um golpe de pernas ela teria pulado imediatamente para fora da panela.  Isto mostra que, quando uma mudança acontece de um modo suficientemente lento, escapa à consciência e não desperta, na maior parte dos casos, reação alguma, oposição alguma, ou, alguma revolta.
Se nós olharmos para o que tem acontecido em nossa sociedade desde há algumas décadas, podemos ver que nós estamos sofrendo uma lenta mudança no modo de viver, para a qual nós estamos nos acostumando. Uma quantidade de coisas que nos teriam feito horrorizar 20, 30 ou 40 anos atrás, foram pouco a pouco banalizadas e, hoje, apenas incomodam ou deixam completamente indiferente a maior parte das pessoas.  Em nome do progresso, da ciência e do lucro, são efetuados ataques contínuos às liberdades individuais, à dignidade, à integridade da natureza, à beleza e à alegria de viver; efetuados lentamente, mas inexoravelmente, com a constante cumplicidade das vítimas, desavisadas e, agora, incapazes de se defenderem.
As previsões para nosso futuro, em vez de despertar reações e medidas preventivas, não fazem outra coisa a não ser a de preparar psicologicamente as pessoas a aceitarem algumas condições de vida decadentes, aliás, dramáticas.
O martelar contínuo de informações, pela mídia, satura os cérebros, que não podem mais distinguir as coisas…
Consciência, ou cozido, precisa escolher!  Então, se você não está como a rã, já meio cozido, dê um saudável golpe de pernas, antes que seja tarde demais.

Olivier Clerc, escritor.

Anúncios

Alguém dirá: ‘São mentiras’

30/01/2010

Íntegra do discurso do Presidente Lula,                                                                                                       lido em Davos pelo Ministro Celso Amorim

“Minhas senhoras e meus senhores,

Em primeiro lugar, agradeço o prêmio “Estadista Global” que vocês estão me concedendo.

Nos últimos meses, tenho recebido alguns dos prêmios e títulos mais importantes da minha vida.

Com toda sinceridade, sei que não é exatamente a mim que estão premiando – mas ao Brasil e ao esforço do povo brasileiro. Isso me deixa ainda mais feliz e honrado.

Recebo este prêmio, portanto, em nome do Brasil e do povo do meu país. Este prêmio nos alegra, mas, especialmente, nos alerta para a grande responsabilidade que temos.

Ele aumenta minha responsabilidade como governante, e a responsabilidade do meu país como ator cada vez mais ativo e presente no cenário mundial.

Tenho visto, em várias publicações internacionais, que o Brasil está na moda. Permitam-me dizer que se trata de um termo simpático, porém inapropriado.

O modismo é coisa fugaz, passageira. E o Brasil quer e será ator permanente no cenário do novo mundo.

O Brasil, porém, não quer ser um destaque novo em um mundo velho. A voz brasileira quer proclamar, em alto e bom som, que é possível construir um mundo novo.

O Brasil quer ajudar a construir este novo mundo, que todos nós sabemos, não apenas é possível, mas dramaticamente necessário, como ficou claro, na recente crise financeira internacional – mesmo para os que não gostam de mudanças.

Meus senhores e minhas senhoras,

O olhar do mundo hoje, para o Brasil, é muito diferente daquele, de sete anos atrás, quando estive pela primeira vez em Davos.

Naquela época, sentíamos que o mundo nos olhava mais com dúvida do que esperança. O mundo temia pelo futuro do Brasil, porque não sabia o rumo exato que nosso país tomaria sob a liderança de um operário, sem diploma universitário, nascido politicamente no seio da esquerda sindical.

Meu olhar para o mundo, na época, era o contrário do que o mundo tinha para o Brasil. Eu acreditava, que assim como o Brasil estava mudando, o mundo também pudesse mudar.

No meu discurso de 2003, eu disse, aqui em Davos, que o Brasil iria trabalhar para reduzir as disparidades econômicas e sociais, aprofundar a democracia política, garantir as liberdades públicas e promover, ativamente, os direitos humanos.

Iria, ao mesmo tempo, lutar para acabar sua dependência das instituições internacionais de crédito e buscar uma inserção mais ativa e soberana na comunidade das nações.

Frisei, entre outras coisas, a necessidade de construção de uma nova ordem econômica internacional, mais justa e democrática.

E comentei que a construção desta nova ordem não seria apenas um ato de generosidade, mas, principalmente, uma atitude de inteligência política.

Ponderei ainda que a paz não era só um objetivo moral, mas um imperativo de racionalidade. E que não bastava apenas proclamar os valores do humanismo. Era necessário fazer com que eles prevalecessem, verdadeiramente, nas relações entre os países e os povos.

Sete anos depois, eu posso olhar nos olhos de cada um de vocês – e, mais que isso, nos olhos do meu povo – e dizer que o Brasil, mesmo com todas as dificuldades, fez a sua parte. Fez o que prometeu.

Neste período, 31 milhões de brasileiros entraram na classe média e 20 milhões saíram do estágio de pobreza absoluta. Pagamos toda nossa dívida externa e hoje, em lugar de sermos devedores, somos credores do FMI.

Nossas reservas internacionais pularam de 38 bilhões para cerca de 240 bilhões de dólares. Temos fronteiras com 10 países e não nos envolvemos em um só conflito com nossos vizinhos. Diminuímos, consideravelmente, as agressões ao meio ambiente. Temos e estamos consolidando uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, e estamos caminhando para nos tornar a quinta economia mundial.

Posso dizer, com humildade e realismo, que ainda precisamos avançar muito. Mas ninguém pode negar que o Brasil melhorou.

O fato é que Brasil não apenas venceu o desafio de crescer economicamente e incluir socialmente, como provou, aos céticos, que a melhor política de desenvolvimento é o combate à pobreza.

Historicamente, quase todos governantes brasileiros governaram apenas para um terço da população. Para eles, o resto era peso, estorvo, carga.

Falavam em arrumar a casa. Mas como é possível arrumar um país deixando dois terços de sua população fora dos benefícios do progresso e da civilização?

Alguma casa fica de pé, se o pai e a mãe relegam ao abandono os filhos mais fracos, e concentram toda atenção nos filhos mais fortes e mais bem aquinhoados pela sorte?

É claro que não. Uma casa assim será uma casa frágil, dividida pelo ressentimento e pela insegurança, onde os irmãos se vêem como inimigos e não como membros da mesma família.

Nós concluímos o contrário: que só havia sentido em governar, se fosse governar para todos. E mostramos que aquilo que, tradicionalmente, era considerado estorvo, era, na verdade, força, reserva, energia para crescer.

Incorporar os mais fracos e os mais necessitados à economia e às políticas públicas não era apenas algo moralmente correto. Era, também, politicamente indispensável e economicamente acertado. Porque só arrumam a casa, o pai e a mãe que olham para todos, não deixam que os mais fortes esbulhem os mais fracos, nem aceitam que os mais fracos conformem-se com a submissão e com a injustiça. Uma casa só é forte quando é de todos – e nela todos encontram abrigo, oportunidades e esperanças.

Por isso, apostamos na ampliação do mercado interno e no aproveitamento de todas as nossas potencialidades. Hoje, há mais Brasil para mais brasileiros. Com isso, fortalecemos a economia, ampliamos a qualidade de vida do nosso povo, reforçamos a democracia, aumentamos nossa auto-estima e amplificamos nossa voz no mundo.

Minhas senhoras e meus senhores,

O que aconteceu com o mundo nos últimos sete anos? Podemos dizer que o mundo, igual ao Brasil, também melhorou?

Não faço esta pergunta com soberba. Nem para provocar comparações vantajosas em favor do Brasil.

Faço esta pergunta com humildade, como cidadão do mundo, que tem sua parcela de responsabilidade no que sucedeu – e no que possa vir a suceder com a humanidade e com o nosso planeta.

Pergunto: podemos dizer que, nos últimos sete anos, o mundo caminhou no rumo da diminuição das desigualdades, das guerras, dos conflitos, das tragédias e da pobreza?

Podemos dizer que caminhou, mais vigorosamente, em direção a um modelo de respeito ao ser humano e ao meio ambiente?

Podemos dizer que interrompeu a marcha da insensatez, que tantas vezes parece nos encaminhar para o abismo social, para o abismo ambiental, para o abismo político e para o abismo moral?

Posso imaginar a resposta sincera que sai do coração de cada um de vocês, porque sinto a mesma perplexidade e a mesma frustração com o mundo em que vivemos.

E nós todos, sem exceção, temos uma parcela de responsabilidade nisso tudo.

Nos últimos anos, continuamos sacudidos por guerras absurdas. Continuamos destruindo o meio-ambiente. Continuamos assistindo, com compaixão hipócrita, a miséria e a morte assumirem proporções dantescas na África. Continuamos vendo, passivamente, aumentar os campos de refugiados pelo mundo afora.

E vimos, com susto e medo, mas sem que a lição tenha sido corretamente aprendida, para onde a especulação financeira pode nos levar.

Sim, porque continuam muitos dos terríveis efeitos da crise financeira internacional, e não vemos nenhum sinal, mais concreto, de que esta crise tenha servido para que repensássemos a ordem econômica mundial, seus métodos, sua pobre ética e seus processos anacrônicos.

Pergunto: quantas crises serão necessárias para mudarmos de atitude? Quantas hecatombes financeiras teremos condições de suportar até que decidamos fazer o óbvio e o mais correto?

Quantos graus de aquecimento global, quanto degelo, quanto desmatamento e desequilíbrios ecológicos serão necessários para que tomemos a firme decisão de salvar o planeta?

Meus senhores e minhas senhoras,

Vendo os efeitos pavorosos da tragédia do Haiti, também pergunto: quantos Haitis serão necessários para que deixemos de buscar remédios tardios e soluções improvisadas, ao calor do remorso?

Todos nós sabemos que a tragédia do Haiti foi causada por dois tipos de terremotos: o que sacudiu Porto Príncipe, no início deste mês, com a força de 30 bombas atômicas, e o outro, lento e silencioso, que vem corroendo suas entranhas há alguns séculos.

Para este outro terremoto, o mundo fechou os olhos e os ouvidos. Como continua de olhos e ouvidos fechados para o terremoto silencioso que destrói comunidades inteiras na África, na Ásia, na Europa Oriental e nos países mais pobres das Américas.

Será necessário que o terremoto social traga seu epicentro para as grandes metrópoles européias e norte-americanas para que possamos tomar soluções mais definitivas?

Um antigo presidente brasileiro dizia, do alto de sua aristocrática arrogância, que a questão social era uma questão de polícia.

Será que não é isso que, de forma sutil e sofisticada, muitos países ricos dizem até hoje, quando perseguem, reprimem e discriminam os imigrantes, quando insistem num jogo em que tantos perdem e só poucos ganham?

Por que não fazermos um jogo em que todos possam ganhar, mesmo que em quantidades diversas, mas que ninguém perca no essencial?

O que existe de impossível nisso? Por que não caminharmos nessa direção, de forma consciente e deliberada e não empurrados por crises, por guerras e por tragédias? Será que a humanidade só pode aprender pelo caminho do sofrimento e do rugir de forças descontroladas?

Outro mundo e outro caminho são possíveis. Basta que queiramos. E precisamos fazer isso enquanto é tempo.

Meus senhores e minhas senhoras,

Gostaria de repetir que a melhor política de desenvolvimento é o combate à pobreza. Esta também é uma das melhores receitas para a paz. E aprendemos, no ano passado, que é também um poderoso escudo contra crise.

Esta lição que o Brasil aprendeu, vale para qualquer parte do mundo, rica ou pobre.

Isso significa ampliar oportunidades, aumentar a produtividade, ampliar mercado e fortalecer a economia. Isso significa mudar as mentalidades e as relações. Isso significa criar fábricas de emprego e de cidadania.

Só fomos bem sucedidos nessas tarefas porque recuperamos o papel do Estado como indutor do desenvolvimento e não nos deixamos aprisionar em armadilhas teóricas – ou políticas – equivocadas sobre o verdadeiro papel do estado.

Nos últimos sete anos, o Brasil criou quase 12 milhões de empregos formais. Em 2009, quando a maioria dos países viu diminuir os postos de trabalhos, tivemos um saldo positivo de cerca de um milhão de novos empregos.

O Brasil foi um dos últimos países a entrar na crise e um dos primeiros a sair. Por que? Porque tínhamos reorganizado a economia com fundamentos sólidos, com base no crescimento, na estabilidade, na produtividade, num sistema financeiro saudável, no acesso ao crédito e na inclusão social.

E quando os efeitos da crise começaram a nos alcançar, reforçamos, sem titubear, os fundamentos do nosso modelo e demos ênfase à ampliação do crédito, à redução de impostos e ao estímulo do consumo.

Na crise ficou provado, mais uma vez, que são os pequenos que estão construindo a economia de gigante do Brasil.

Este talvez seja o principal motivo do sucesso do Brasil: acreditar e apoiar o povo, os mais fracos e os pequenos. Na verdade, não estamos inventando a roda. Foi com esta força motriz que Roosevelt recuperou a economia americana depois da grande crise de 1929. E foi com ela que o Brasil venceu preventivamente a última crise internacional.

Mas, nos últimos sete anos, nunca agimos de forma improvisada. A gente sabia para onde queria caminhar. Organizamos a economia sem bravatas e sem sustos, mas com um foco muito claro: crescer com estabilidade e com inclusão.

Implantamos o maior programa de transferência de renda do mundo, o Bolsa Família, que hoje beneficia mais de 12 milhões de famílias. E lançamos, ao mesmo tempo, o Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC, maior conjunto de obras simultâneas nas áreas de infra-estrutura e logística da história do país, no qual já foram investidos 213 bilhões de dólares e que alcançará, no final do ano de 2010, um montante de 343 bilhões.

Volto ao ponto central: estivemos sempre atentos às politicas macro-econômicas, mas jamais nos limitamos às grandes linhas. Tivemos a obsessão de destravar a máquina da economia, sempre olhando para os mais necessitados, aumentando o poder de compra e o acesso ao crédito da maioria dos brasileiros.

Criamos, por exemplo, grandes programas de infra-estrutura social voltados exclusivamente para as camadas mais pobres. É o caso do programa Luz para Todos, que levou energia elétrica, no campo, para 12 milhões de pessoas e se mostrou um grande propulsor de bem estar e um forte ativador da economia.

Por exemplo: para levar energia elétrica a 2 milhões e 200 mil residências rurais, utilizamos 906 mil quilômetros de cabo, o suficiente para dar 21 voltas em torno do planeta Terra. Em contrapartida, estas famílias que passaram a ter energia elétrica em suas casas, compraram 1,5 milhão de televisores, 1,4 milhão de geladeiras e quantidades enormes de outros equipamentos.

As diversas linhas de microcrédito que criamos, seja para a produção, seja para o consumo, tiveram igualmente grande efeito multiplicador. E ensinaram aos capitalistas brasileiros que não existe capitalismo sem crédito.

Para que vocês tenham uma idéia, apenas com a modalidade de “crédito consignado”, que tem como garantia o contracheque dos trabalhadores e aposentados, chegamos a fazer girar na economia mais 100 bilhões de reais por mês. As pessoas tomam empréstimos de 50 dólares, 80 dólares para comprar roupas, material escolar, etc, e isto ajuda ativar profundamente a economia.

Minhas senhoras e meus senhores,

Os desafios enfrentados, agora, pelo mundo são muito maiores do que os enfrentados pelo Brasil.

Com mudanças de prioridades e rearranjos de modelos, o governo brasileiro está conseguindo impor um novo ritmo de desenvolvimento ao nosso país.

O mundo, porém, necessita de mudanças mais profundas e mais complexas. E elas ficarão ainda mais difíceis quanto mais tempo deixarmos passar e quanto mais oportunidades jogarmos fora.

O encontro do clima, em Copenhague, é um exemplo disso. Ali a humanidade perdeu uma grande oportunidade de avançar, com rapidez, em defesa do meio-ambiente.

Por isso cobramos que cheguemos com o espírito desarmado, no próximo encontro, no México, e que encontremos saídas concretas para o grave problema do aquecimento global.

A crise financeira também mostrou que é preciso uma mudança profunda na ordem econômica, que privilegie a produção e não a especulação.

Um modelo, como todos sabem, onde o sistema financeiro esteja a serviço do setor produtivo e onde haja regulações claras para evitar riscos absurdos e excessivos.

Mas tudo isso são sintomas de uma crise mais profunda, e da necessidade de o mundo encontrar um novo caminho, livre dos velhos modelos e das velhas ideologias.

É hora de re-inventarmos o mundo e suas instituições. Por que ficarmos atrelados a modelos gestados em tempos e realidades tão diversas das que vivemos? O mundo tem que recuperar sua capacidade de criar e de sonhar.

Não podemos retardar soluções que apontam para uma melhor governança mundial, onde governos e nações trabalhem em favor de toda a humanidade.

Precisamos de um novo papel para os governos. E digo que, paradoxalmente, este novo papel é o mais antigo deles: é a recuperação do papel de governar.

Nós fomos eleitos para governar e temos que governar. Mas temos que governar com criatividade e justiça. E fazer isso já, antes que seja tarde.

Não sou apocalíptico, nem estou anunciando o fim do mundo. Estou lançando um brado de otimismo. E dizendo que, mais que nunca, temos nossos destinos em nossas mãos.

E toda vez que mãos humanas misturam sonho, criatividade, amor, coragem e justiça elas conseguem realizar a tarefa divina de construir um novo mundo e uma nova humanidade.

Muito obrigado.”


É a treva: rumo ao desastre

26/01/2010

Transcrito de ‘Tribuna Bancária’ n. 1118

   

Uma jovem e talentosa atriz de uma novela muito popular, Isabelle Drummond, sempre que fracassam seus planos, usa o bordão:”É a treva”. Não me vem à mente outra expressão ao assistir o melancólico desfecho da COP 15 sobre as mudanças climáticas em Copenhague: é a treva! Sim, a humanidade penetrou numa zona de treva e de horror. Estamos indo ao encontro do desastre.

Anos de preparação, dez dias de discussão, a presença dos principais líderes políticos do mundo não foram suficientes para espancar a treva mediante um acordo consensuado de redução de gases de efeito estufa que impedisse chegar a dois graus Celsius. Ultrapassado esse nível e beirando os três graus, o clima não seria mais controlável e estaríamos entregues à lógica do caos destrutivo, ameaçando a biodiversidade e dizimando milhões e milhões de pessoas.

Obama não trouxe nada de novo. Foi imperial, ao impor minuciosas condições aos pobres. Duas lições se podem tirar do fracasso em Copenhague: a primeira é a consciência coletíva de que o aquecimento é um fato irreversível, do qual todos somos responsáveis, mas principalmente os países ricos.

É que agora somos também responsáveis, cada um em sua medida, pelo controle do aquecimento para que não seja catastrófico. Depois de Copenhague mudou a consciência coletiva da humanidade. Se irrompeu essa consciência porque não se chegou a nenhum consenso? Aqui surge a segunda lição que importa tirar da COP 15 em Copenhague: o grande vilão é o modo de produção capitalista, mundialmente articulado, com sua correspondente cultura consumista. Enquanto for mantido, será impossível um consenso que coloque no centro a vida, a humanidade e a Terra.

O capitalismo rompe com o equilíbrio ao sobrepor-se à natureza, estabelece uma competição feroz entre todos e pre­tende tirar tudo da Terra, até extenuá-Ia. Se assume o discurso ecológico é para ter mais ganhos. Ademais, o capitalismo é incompatível com a vida. A vida pede cuidado e cooperação. O capitalísmo sacrifica vidas, cria trabalhadores que são verdadeiros escravos “pro tempore” e pratica trabalho infantil em vários paises. Os negociadores e os líderes políticos em Copenhague ficaram reféns deste sistema. Esse barganha quer ter lucros, não hesita em pôr em risco o futuro da vida. Sua tendência é autosuicidária.

Que acordo poderá haver entre o lobo e o cordeiro, quer dizer, entre a natureza que grita por respeito e aquele que a devasta sem piedade? Por isso, quem entende a lógica do capital, não se surpreende com o fracasso da COP 15. O único que ergueu a voz, solitária, como um “louco” numa sociedade de “sábios”, foi o presidente Evo Morales, da Bolívia: “Ou superamos o capitalismo ou ele destruirá a Mãe Terra”.

Gostemos ou não gostemos, esta é a pura verdade. Copenhague tirou a máscara do capitalismo, incapaz de forjar consensos porque pouco lhe importam a vida e a Terra mas antes as vantagens e os lucros materiais.

Leonardo Boff – autor de “A solução da Terra não cai do céu” 

                                                                                                                                                                        


Eleições na CASSI

18/01/2010

Estamos em época de eleições. Algumas entidades estão articulando nomes para concorrerem às votações CASSI e brevemente terão início as negociações para formação das chapas para PREVI.

Tenho conhecimento de que desde 1992, alguns abnegados colegas já nos alertavam para o desmonte da CASSI. Nada obstante os alertas a maioria dos assistidos pela nossa caixa nada fizeram. Deixaram o rio seguir o seu curso, não acreditando nas denúncias e hoje temos essa CASSI que infelizmente encontra-se em estado agonizante, em que muitos colegas já nem acreditam em possível recuperação. Vejam que em 1992 o desmonte já estava instalado, portanto êle  iniciou-se ainda antes desta época, ou seja, o longo caminho já tem pelo menos uns 30 anos. Pouco a pouco vão retirando uma coisinha aqui, outra ali, fazem um plebiscito aqui, outro ali, os colegas aprovam porque colocam “uma cerejinha” no pacote. Outras vezes ameaçam, fazem 4 votações até conseguirem aprovar o que desejam. E assim, chegamos ao ponto em que estamos. Só agora, mais de 30 anos depois, alguns poucos reconhecem o que está acontecendo.

A tudo isto, vimos nossas associações assistirem inertes e silenciosas. Uma açãozinha aqui, outra ali, uma reuniãozinha aqui, outra ali, editam um boletim repleto de boas noticias, depois outro indicando o caos e por aí vai. Tudo com o intuito de colocarem as pessoas certas nos lugares estratégicos, e chegaram lá.

Vejam que tudo está acontecendo há mais de 30 anos, “não é mérito” do PT, do PSDB, ou de nenhum governo mais recente. Nós ficamos discutindo quem tem mais culpa ou quem fez ou deixou de fazer. Claro que o governo seja êle qual for, tem sua responsabilidade (e bem grande) nesta estória toda. Mas eu não tenho dúvida que os grandes culpados SOMOS NÓS. Qual de nós, ainda no BB, não lembra da urna passando por sua mesa e perguntamos: em quem eu voto? onde eu assino? Mudaram as regras, hoje é no SISBB ou no telefone, mas a conduta continua a mesma. Assim tem sido até hoje em maior ou menor intensidade.

E nós continuamos a fazer o que? Assistindo a tudo, votando nos mesmos que se revezam aqui e ali. Alguns até vitalícios.

Qdo será que vamos nos envolver de fato? Qdo será que cada um de nós não vai deixar o trabalho para o outro? Qdo será que vamos tomar a iniciativa de não sentir vergonha por alertar um outro colega? Qdo vamos imprimir uma notícia importante e levar aos colegas da ativa para alertá-los do que está acontecendo? Qdo vamos nos preparar de fato para uma eleição investindo na conscientização dos que se encontram afastados?

Só 5 mil aposentados votaram no último pleito. Como informar e conscientizar os outros mais de 60 mil que ignoram tudo o que ficamos debatendo e debatendo entre nós mesmos? Qdo vamos dedicar um tempo para salvar nossas caixas e nossos benefícios, além deste mundo internáutico?

Pelo andar da carruagem eu penso que só acordaremos de fato qdo estivermos na fila do SUS. Vamos deixar que isto aconteça, sem nem ao menos espernear?

O BB levou mais de 5 bi da PREVI (de novo) não obstante UMA ÚNICA LIMINAR DEFERIDA (deveriam ter sido dezenas).

Logo estaremos recebendo em nossas residências as belas revistas em papel de primeira qualidade, com as fotos dos candidatos sorridentes inscritos nas chapas para as eleições CASSI E PREVI . E nós?  vamos ficar lendo os “grandes feitos” achando que a situação das nossas caixas não é tão ruim assim, encontrando atenuantes e desculpas para o caos que assistimos, afinal êles fazem “o que podem”, não é mesmo?

Reverter a situação que chegou a este ponto por nossa passividade, não será nada fácil. E não será comodamente sentadinhos na frente do computador. Vamos refletir sobre como poderemos colaborar.

Participem dos debates sobre CASSI E PREVI, associando-se ao grupo: REDE-SOS-subscribe@yahoogrupos.com.br

Apoiem o movimento dos aposentados

http://www.unap-bb.org/Como-Apoiar.php

VOTAR NÃO É SÓ NOSSO DIREITO, É NOSSA OBRIGAÇÃO.

Daisy Saccomandi


Previ e seus investimentos

14/01/2010

A Previ quer dobrar sua participação imobiliária nos próximos 5 anos e, como podem notar pelas notícias abaixo, agora vamos ter empresa de transporte e um porto para estacionarmos os nossos iates.
Daqui a pouco, teremos também uma frota de taxi, depois outra de carros de aluguel, até chegarmos a uma companhia aérea. Tudo isto para nosso benefício e lazer. Vocês não ficam felizes com isto? Pena que venderam o nosso parquinho de diversões por R$ 6,00. Agora não podemos mais ir lá para nos divertirmos. Sniff…. Sniff…. Ah! Mas, em compensação, temos o parque temático de Aparecida e
vamos ter mais shopings para gastar a fortuna que recebemos todos os meses.
E se ainda sobrar algum, poderemos até restaurar o Hospital Humberto Primo, mesmo tombado pelo Patrimônio Histórico,  e transformá-lo num Centro Médico de primeiro mundo. Isto não é ótimo?
Ah! Já ia me esquecendo: vamos ter luz de graça, também!!!! Agora entendi o interesse do Governo Federal em substituir a diretoria da Vale. Caramba!! Quanta burrice da minha parte!!!!
Apesar de nunca ter ouvido falar desta tal de INVEPAR, ela deve ser uma das melhores. E o gênio do Sr. Joilson Ferreira, então? Só olhando para o nosso futuro em matéria de investimentos. Já imaginaram quanto se pode gastar até a Copa do Mundo e as Olimpíadas? Eita cara visionário, só pensa no futuro.
Quanto a construtora OAS, não é aquela que ACM tinha parte? Também se for, coitado dele, está mortinho e não poderá mais fazer o bem para todos nós. Tão honesto, incorruptível, mecenas, sempre pensando no futuro desta brava gente brasileira como o Sr. Sarney. Grande falta nos faz, tal político.
Vocês não ficam felizes com tantas notícias alvissareiras? Quem sabe até não terminam a construção do Palácio Tangará (que não sei nem onde fica, falha imperdoável de minha parte) a qual está parada desde 2001 e o transformam em motel para cobrir os prejuízos que Sauípe vem dando há anos. Até fiquei penalizada com Iberostar que abandou o Complexo porque estava sempre às moscas. Também, a coitadinha foi arrendar um hotel à beira de uma praia imaculadamente preservada, um paraíso tropical daqueles, com direito até à Mata Atlântica, cheia de pernilongos, muriçocas, borrachudos, aranhas e outros insetos que só incomodavam seus hóspedes. Não aguentou tudo isto. Saiu de lá! E vejam, foi à concorrência para nos fazer o favor de tentar comprar o Le Méridien, no Rio de Janeiro, que, pela sua localização, deve ser muito pior ainda. Tiroteios na rua, balas perdidas, assaltos à turistas, arrastões nas praias, guerra de traficantes, etc. Fez até o sacrifício de concorrer com a Vale. Quem mesmo???? Ah!, tá, me lembrei. Eita cabeça a minha. A Vale é aquela mineradora que ocupa o 2º lugar no ranking brasileiro e o Governo Federal até está interferindo para ver se muda sua diretoria que é um despropósito, uma empresa privada dar tanto lucro e pagar tantos impostos como ela e ter falhas na sua governança que não a levam ao primeiro lugar. Mereceu, com certeza os ataques públicos que os presidentes da Previ e da Funcef fizeram à sua gestão administrativa, e a Funcef, com toda razão, até demonstrou disposição de se desfazer de sua participação nela.
Imaginem o que será da Litel agora, se ela não desistir de sua participação acionária numa empresinha de 5º mundo!!!! Que cabeça a minha! Como pude me esquecer destes detalhes. Sou burra mesmo e tenho certeza que “a gente somos ignorantes” nestes aspectos de jogos de poder.
Tudo é feito pensando nos benefícios do povo e para o povo. Temos que nos preocupar sim, com empresas deste tipo que só fazem chegar  ao exterior o que o Brasil é capaz de fazer, já que quanto à saúde, moradia, saneamento básico, educação e segurança,  estamos no mesmo nível da Suiça, Dinamarca, Suécia, Alemanha, etc. O que nos causam problemas são estas empresinhas de fundo de quintal querendo aparecer, como nunca se viu neste país.
Outra que logo deverá entrar na mira, é a Gerdau. Ela que se cuide! Pois, ousada como é, resolveu comprar e incorporar empresas mineradoras/siderúrgicas nos Estados Unidos, um paísinho de 5ª categoria, que sendo só 8 anos mais velho que o Brasil, atreveu-se a chegar à potência mundial que é hoje. Isto não se faz!
Abraços,

Cleide.